quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Prelúdio

O Silêncio não pode durar para sempre.

Não quando as pessoas, o tempo e a vida são insuficientes para que deixe de haver coisas por dizer. Agora é suposto que tenha segredos. É suposto que deles cuide dentro de mim, secretamente, como um jardim de plantas raras que murchará tão só seja visto por um olhar estranho.

E assim eu escrevo na sombra. Olhos postos em mim apenas quando não posso ser vista. Saudades minhas apenas quando estou fora de alcance. Desejo de me abraçar apenas quando sou uma memória vaga e ofuscada pelo tempo.

Mas assim tenho o conforto de não desiludir, de não me atrasar, de não ferir sentimentos.

E num mundo onde se cresce depressa mas mal, onde todos tentam chegar ao topo de qualquer coisa não interessa qual, o meu maior desejo é chegar aqui e não ser ninguém.

É que a ser ninguém eu sempre fui muito boa...

2 comentários:

Diogo disse...

(...)não pode durar para sempre. ; o tempo e a vida são insuficientes ; Saudades minhas ; ofuscada pelo tempo. ; de não me atrasar ; cresce depressa ; o meu maior desejo é chegar aqui e não ser ninguém. (...) Fim de citação. Realmente o tempo é algo muito enigmático. É engraçado como passa depressa quando leio os teus poemas... Como passa devagar quando tento escrever um comentário ao teu poema. Sim o tempo é relativo! Passa depressa quando fazemos coisas boas e passa devagar quando fazemos coisas menos boas! Einstein sempre tinha razão! Claro que é arriscado tentar escrever algo a comentar um poema teu. Por isso eu decidi não escrever mas sim copiar! Por isso copiei-te. Por isso, e agora talvez com mais sentido, volto a copiar: (...)não pode durar para sempre. ; o tempo e a vida são insuficientes ; Saudades minhas ; ofuscada pelo tempo. ; de não me atrasar ; cresce depressa ; o meu maior desejo é chegar aqui e não ser ninguém. (...) ;)

clepsidra disse...

Acho que não sabia quando criei este blog que o tempo seria o tema omnipresente. Mas agora que penso nisso vejo que não podia ser de outra forma porque nada como o tempo me condiciona, me inspira, me assombra e me fascina.

Afinal, Clepsidra é um relógio de água.

Há poucas coisas mais preciosas do que o nosso tempo... Usares uma parte do teu para escreveres aqui qualquer coisa especial significa bastante.