segunda-feira, 21 de julho de 2008

Riscos na areia

Às vezes dou por mim
E não pareço fazer sentido.
Rodeada de folhas de papel:
trabalho, trabalho...
Quando tudo o que mais desejo
É sentir a brisa fresca
E molhar os pés na água salgada.

Na lassidão das horas quentes
Escrevo estas palavras
E sopro-as para longe...
Para a praia onde não posso estar
Para o abraço das ondas e do céu.

3 comentários:

Diogo disse...

É realmente muito interessante o teu blog! Gosto da tua poesia. Fazes-me ler... E reler... Serei leitor assíduo do teu blog. E quanto a estes "Riscos na Areia", pois digo-te que sou teu companheiro na praia onde também eu nao posso estar durante as minhas horas de trabalho! ;)

clepsidra disse...

Talvez então possamos ir um dia destes à praia, quando não houver tanto trabalho ;)

Diogo disse...

Sim talvez... Talvez quando a clepsidra que mede o meu precioso tempo de trabalho o permitir... ;)